Conflito bandoleiro na Nigéria

O conflito bandoleiro no noroeste da Nigéria é um conflito em andamento entre o governo do país e várias gangues e milícias étnicas. Começando em 2011, a insegurança resultante pelo conflito entre os grupos étnicos Fulani e Hausa criou uma janela de oportunidade para a formação e enraizamento de grupos criminais e jihadistas na região.

A origem do conflito bandoleiro pode ser traçada ao conflito entre agricultores e pastorialistas que atravessam a Nigéria. O declínio ambiental que resulta na escassez de água e terra arável levou à intensa competição entre comunidades por esses recursos limitados. Desemprego, pobreza em larga escala e um governo local fraco possibilitaram um crescente setor de pessoas desesperadas transitando por atividades criminais para ganhar uma renda. Grandes áreas de florestas possibilitam esconderijos e a formação de campos para os grupos. As forças de segurança tem sido incapazes de acessar essas áreas cobertas.[1]

A insegurança, desertificação, e uma possível influência jihadistas tornaram possível uma ascensão de ataques na região. Tráfico de armas em larga escala possibilitaram o acesso de armas pesadas por parte de grupos criminosos, insentificando as fatalidades resultantes dos ataques. Forças de segurança locais e federais sub-equipadas, em adição às dificuldades de locomoção no terreno, fazem das ações de ofensiva na floresta perigosas e suscetíveis a emboscadas. A inabilidade do governo em lidar efetivamente com o problema possibilitou o crescimento da região de atuação desses grupos.[2]

Bandoleiros na Nigéria possuem vários meios de conseguir dinheiro. Eles invadem cidades e vilarejos em motocicletas para realizar saques e sequestros, matando as pessoas que resistem. Sequestros são uma das operações mais lucrativas desses grupos, chegando à cobrar milhões de nairas pelo resgato. Entre 2011 e 2020, os nigerianos tiveram que pagar pelo menos 18 milhões para libertar familiares e amigos.[3][4]

Armas ilegais são prevalente no noroeste da Nigéria, grupos bandoleiros também controlam minas de ouro, cuja produção usam para comprar mais armas no mercade interno e internacional.[5] Se estima a existência de 60.000 armas ilegais em circulação no noroeste da Nigéria. A fronteira norte da Nigéria tem uma fraca segurança, com apenas 1,950 policiais em toda fronteira, o que facilita o tráfico na região.[carece de fontes?]

Apenas no estado de Zamfara existem pelo menos 30.000 membros de grupos bandoleiros e 100 campos.[6]

Pelo menos 247,000 foram deslocadas e 120 vilas foram destruindo pela atividade bandoleira na região noroeste da Nigéria.[7] Pelo menos 77.000 dos deslocados foram forçados para a região Maradi no Niger onde ataques através da fronteira continuam. Pelo menos 11.320 refugiados foram realocados com sucesso.[8]

Operações do governo nigeriano

Em 8 de julho de 2016, o presidente Muhammadu Buhari anunciou que as forças armadas da Nigéria lançariam uma operação militar nomeada Operação Harbin Kunama, a operação seria realizada por 223 batalhões blindados da 1 Divisão Mecanizada.[9][10] A operação tinha como alvo grupos bandoleiros na floresta de Dansadau. Nos dias anteriores ao anúncio, os comboios carregaram equipamentos militares para o estado de Zamfara, incluindo tanques e veículos blindados de combate.[11] A primeira ação seria realizada dias depois.[12]

Começando no início de 2016, a Operação Sharon Daji foi uma operação militar realizada pelas forças armadas nigerianas contra os grupos bandoleiros. Foi conduzida por 31 brigadas de artilharia e 2 batalhões da 1 divisão mecanizada. Em março de 2016, 35 bandoleiros foram morrtos, 36 armas tomadas, 6,009 animais recuperados, 49 campos bandoleiros foram destruidos, e 38 bandoleiros capturados.[13]

Em 5 de junho, 2020, as forças armadas da Nigéria lançaram a operação Accord, estabelecendo a Joint Task Force de vigilantes e tropas do 312 regimento de artilharia. Uma ofensiva aérea e terrestre lançada no mesmo dia anunciou a morte de 70 bandoleiros.[14] A operação resultou na destruição de múltiplos campos bandoleiros.[15]

Grandes ataques bandoleiros

  • 18 de abril, ataque em Katsina
  • 11 de dezembro, sequestros em Kankara
  • 24–25 de fevereiro , ataques em Kaduna and Katsina
  • 26 de fevereiro, sequestros em Zamfara
  • 11 de março, sequestros em Afaka
  • 20 de abril, sequestros na Greenfield University
  • 3 de junho, massacre em Kebbi
  • 11–12 de junho, ataque em Zurmi
  • 14 de junho, seuquestros em Kebbi
  • 5 de julho, sequestros em Chikun
  • Massacre em Zamfara - ocorrido na primeira semana de janeiro, estima-se que 200 pessoas foram assassinadas e 10.000 estão deslocadas após um ataque bandoleiro, que por sua vez foi realizado após um ofensiva militar aéres contra os campos bandoleiros. [16]


  1. «Combating Banditry in Northwest Nigeria». American Security Project. Consultado em 27 de julho de 2021 
  2. «Why insurgent and bandit attacks are intensifying in Nigeria». TRTworld. 7 de maio de 2021. Consultado em 27 de julho de 2021 
  3. «Inside a Nigerian Bandit Camp». VOA. 28 de fevereiro de 2021. Consultado em 28 de julho de 2021 
  4. «Katsina: The motorcycle bandits terrorising northern Nigeria». BBC. 5 de julho de 2020. Consultado em 29 de julho de 2021 
  5. «Small Arms Proliferate in Nigeria». 14 North. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  6. «30,000 bandits terrorising my state, says Gov Matawalle». The Nation. 3 de abril de 2021. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  7. «The Growing Threat of Armed Banditry in North-West Nigeria». StrifeBlog. 8 de janeiro de 2021. Consultado em 27 de julho de 2021 
  8. «Surging violence in Nigeria drives displacement to Niger». UNHCR. Consultado em 29 de julho de 2021 
  9. «223 Armoured Battalion». Who was in command 
  10. «Buhari Launches Army Operation Against Armed Bandits, Others In Zamfara». Information Nigeria. 14 de julho de 2016. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  11. «Operation Harbin Kunama as welcome relief». Daily Trust. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  12. «Troops kill 11 gunmen, two terrorists in Zamfara, Borno». the guardian. 18 de julho de 2016. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  13. «35 bandits killed, 39 others arrested in North-East – Nigerian Army». Premium times. 19 de março de 2016. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  14. «Troops of Operation Accord kill 70 bandits in Kachia forest – DHQ». the guardian. 6 de junho de 2020. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  15. Ayandele, Olajumoke. «Confronting Nigeria's Kaduna Crisis». Africa center for strategic studies. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  16. «Confronting Nigeria's Kaduna Crisis». At least 200 dead in bandit attacks in northwest Nigeria. Consultado em 9 de janeiro de 2022 


Other Languages

Copyright