Rudolf Virchow

Rudolf Virchow
Nascimento 13 de outubro de 1821
Świdwin
Morte 5 de setembro de 1902 (80 anos)
Berlim
Nacionalidade Alemão
Prêmios Medalha Helmholtz (1898), Medalha Cothenius (1902)
Campo(s) Medicina, política

Rudolf Ludwig Karl Virchow (Schievelbein/ Świdwin, 13 de outubro de 1821Berlim, 5 de setembro de 1902) foi um médico, antropólogo, patologista, pré-historiador, biólogo, escritor, editor e político alemão. É considerado o pai da patologia moderna e da medicina social, além de antropólogo e político liberal (Partido Progressista Alemão e Partido Livre-Pensador Alemão).

Sua cidade natal Schievelbein, no leste da Pomerânia, Prússia, hoje está situada na Polônia, com o nome Świdwin. Ele era o filho único de Carl Christian Siegfried Virchow (1785-1865) e Johanna Maria - nascida Hesse (1785-1857). Seu pai era fazendeiro e tesoureiro da cidade.[1][2] Academicamente brilhante, ele se tornou fluente em alemão, latim, grego, hebraico, inglês, árabe, francês, italiano e holandês. Ele ingressou num ginásio em Köslin (atualmente, Koszalin na Polônia) em 1835, com o objetivo ter a formacao de pastor protestante. Ele se formou em 1839 com uma tese intitulada "Uma vida cheia de trabalho e labuta não é um fardo, mas uma bênção".

No entanto, ele escolheu a medicina, porque considerava sua voz fraca demais para pregar [3]

Graduou-se em 1843 em medicina em Berlim, pela Academia Militar da Prússia. Tornou-se professor em 1847. Por participação ativa na Revolução de Março (1848-1849), mudou-se para Würzburg, onde trabalhou como anatomista. Casou em 1850 com Rose Mayer, com quem teve 3 filhos e 3 filhas. Em 1856 retornou a Berlim, para assumir a cátedra de anatomia patológica da Universidade de Berlim.

Durante a Guerra Franco-Prussiana, liderou pessoalmente o primeiro hospital móvel para atender os soldados no front. Também envolveu-se em atividades sociais, como saneamento básico, arquitetura de construção hospitalar, melhoramento de técnicas de inspeção de carne e higiene escolar. Foi membro ativo na vida política do II Reich alemão, como ferrenho opositor ao Chanceler Otto von Bismarck.

Sepultura

Sua sepultura está localizada no Alter St.-Matthäus-Kirchhof Berlin, no endereço Feld H, H-S-012/013, G2.

Um escritor prolífico, ele produziu mais de 2 000 escritos científicos.[4] Cellular Pathology (1858), considerada a raiz da patologia moderna, introduziu o terceiro ditado na teoria celular: Omnis cellula e cellula ("Todas as células vêm das células").[5] Ele foi cofundador da Physikalisch-Medizinische Gesellschaft em 1849 e da Deutsche Gesellschaft für Pathologie em 1897. Ele fundou periódicos como Archiv für Pathologische Anatomie und Physiologie und für Klinische Medicin (com Benno Reinhardt em 1847, de 1947, a partir de 1947 title Virchows Archiv), e Zeitschrift für Ethnologie (Journal of Ethnology).[6] Este último é publicado pela Associação Antropológica Alemã e pela Sociedade de Antropologia, Etnologia e Pré-história de Berlim, sociedades que ele também fundou.[7]

Virchow foi o primeiro a descrever e nomear doenças como leucemia, cordoma, ocronose, embolia e trombose. Ele cunhou termos biológicos como "cromatina", "neuroglia", "agenesia", "parênquima", "osteóide", "degeneração amilóide" e "espinha bífida"; termos como nó de Virchow, espaços de Virchow-Robin, síndrome de Virchow-Seckel, e tríade de Virchow são nomeados após ele.Trichinella spiralis influenciou a prática de inspeção de carnes. Ele desenvolveu o primeiro método sistemático de autópsia,[8] e introduziu a análise do cabelo na investigação forense.[9] Virchow criticou Ignaz Semmelweis e sua ideia de desinfecção, que disse dele, "Exploradores da natureza não reconhecem bicho-papão além de indivíduos que especulam". Ele criticou o que descreveu como "misticismo nórdico" em relação à raça ariana.[10] Como um anti-evolucionista, ele chamou Charles Darwin de "ignorante" e seu próprio aluno Ernst Haeckel de "tolo". Ele descreveu o espécime original do homem de Neandertal como nada além de um ser humano deformado.[11]

Virchow foi um escritor prolífico. Algumas de suas obras são:[12]

Copyright